quinta-feira, 10 de março de 2011

Nunca houve nós


Bastavam algumas palavras e estaríamos lá. Juntos. Na sala com paredes em tons azulados, frios. Como sempre costumávamos estar. Dessa vez era diferente, mesmo ambos querendo, nenhum se renderia. Cara a cara. Cada vez mais difícil de resistir. Amávamos-nos e no fundo sabíamos disso, mas preferíamos fingir que não. Era sua última chance. Só mais três minutos, se não fizer nada, vou embora – pensei comigo mesma. Os minutos se passaram e, nada. Nos levantamos juntos. Adeus. Foi o que conseguimos dizer. A partir de agora cada um seguiria o seu caminho. A sala com paredes em tons azulados continuou a mesma. 
Mas ao contrário de minutos atrás, nunca houve nós lá.

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Idas e vindas


Afaste. Suma por um tempo. Sem bilhetinho na geladeira ou avisos pela casa. Desligue seu celular e não dê as coordenadas. Fique o máximo que for capaz. Deixe a saudade vir e apertar. E então volte. Aproveite ao máximo. Beije, abrace, faça festa. Nada melhor que a saudade para renovar. 
Aproveite. Cada minuto. Cada segundo. 
Nunca se sabe quando você vai ir e nunca mais voltar.